jusbrasil.com.br
8 de Abril de 2020

Estado australiano se desculpa por leis que criminalizaram homossexualidade

O chefe do Executivo de Victoria, Daniel Andrews, afirmou que antigas leis, que levaram milhares à prisão, 'não têm cabimento em uma democracia liberal'.

Publicado por Carla
há 4 anos

Agência Efe | Sydney

O chefe do Executivo do estado australiano de Victoria, Daniel Andrews, pediu oficialmente desculpas nesta terça-feira (24/05) por antigas leis que criminalizavam a homossexualidade e que enviaram à prisão milhares de pessoas.

Chefe do Executivo do estado australiano de Victoria, Daniel Andrews, afirmou que leis "não têm cabimento em uma democracia liberal"

"Pelas leis que aprovamos, as vidas que arruinamos e os padrões que fixamos, pedimos com humildade desculpas", disse Andrews perante o parlamento de Victoria, que estava repleto de ativistas da comunidade de lésbicas, homossexuais, transexuais e bissexuais, assim como de vítimas das normas já abolidas.

Andrews lembrou que estas leis, que "não têm cabimento em uma democracia liberal", não somente supuseram "a supressão do sexo, mas também do espírito" de muitas pessoas que receberam "sentenças e foram condenadas para toda a vida".

As leis contra a sodomia que criminalizavam as relações homossexuais consentidas, herança da época colonial britânica, foram abolidas progressivamente nas distintas jurisdições do país oceânico desde 1972 até 1997.

O estado de Victoria aboliu estas leis que sancionavam até com 15 anos de prisão os atos homossexuais em 1981, e desde setembro do ano passado as pessoas condenadas por causa destes decretos podem solicitar nessa jurisdição que sejam eliminados os antecedentes e penas dos registros oficiais.

Uma das milhares de vítimas destas leis que criminalizavam a homossexualidade foi o dançarino e coreógrafo aborígene Noel Tovey, que sua humilde condição o obrigou a se prostituir durante sua juventude e foi condenado em 1951 por atos de sodomia.


Tovey, agora com 84 anos, disse à emissora local ABC que as desculpas oficiais "realmente significam que está sendo dado um passo adiante para aceitar os casamentos do mesmo sexo e que a homossexualidade não é perversa como algumas pessoas acham".

Após sair da prisão, o antigo dançarino mudou de nome e saiu do país porque suas opções profissionais eram limitadas devido a sua pena e desde seu retorno à Austrália, se tornou ativista pelos direitos dos homossexuais e dos aborígenes.

"A desculpa significa finalmente que o governo reconhece que os homossexuais são seres humanos", contou Tovey.

Segundo a ABC, pode ser a primeira vez que um governo do planeta pede desculpas oficiais pela criminalização do homossexualidade.

Opera Mundi

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Este é um exemplo que deve ser seguido por outros lugares do Planeta onde há esta discriminação. Aqui no Brasil temos avançado neste sentido de respeitar os direitos destes cidadãos. Embora as coisas estejam mudando no (des) governo interino do Temer, com a "bancada dos demônios" e outros facistas como o deputado Jair Bolsonaro, há uma luta de resistência a todo retrocesso imposto em vários setores pelo Traidor-mor Temer. Não a todo tipo de discriminação: raça, sexualidade, crenças. continuar lendo

País moderno e evoluído, é isso.
Parabéns Austrália.
E bem vinda ao novo mundo.
Na NOVA ERA, há espaço para países iguais à vc. Alias, ela vai vir para países iguais à vc. continuar lendo

Na minha humilde opinião, a Austrália jamais deveria ter se desculpado de tais leis. continuar lendo

As pessoas precisam entender que gays foram, verdadeiramente, odiados por todos, sejam eles cristãos, islâmicos, nazistas, ateus, socialistas, comunistas etc. Enquanto nazistas de um lado perseguiam gays, do outro, na Inglaterra, castraram quimicamente Alan Turing. A humanidade deve a alma para os gays. continuar lendo