jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2022

“Templos religiosos são o melhor lugar para se lavar dinheiro no Brasil”

"Nenhum templo religioso contribui com imposto no Brasil, e este é o ponto de partida para toda a picaretagem. Viabiliza que ali se lave dinheiro do narcotráfico, de bicheiro, de político e das milícias"

Publicado por Carla
há 6 anos

O Favela 247 procurou o ex-diácono André Constantine, 38, hoje presidente da associação de moradores da Babilônia, para comentar as acusações de que o presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) teria utilizado a Assembleia de Deus para lavar dinheiro de propina: "O que eu vou falar todo mundo sabe: nenhum templo religioso contribui com imposto no Brasil, e este é o ponto de partida para toda a picaretagem. Viabiliza que ali se lave dinheiro do narcotráfico, de bicheiro, de político e das milícias", afirma Constantine.

Por Artur Voltolini, para o Favela 247

Segundo ex-pastor, isenção de impostos estimula a lavagem de dinheiro nos templos religiosos

Entre as diversas acusações que pairam sobre Eduardo Cunha (PMDB-RJ), uma é a que ele tenha utilizado a igreja Assembleia de Deus, da qual é membro, para receber pagamentos e fazer lavagem de dinheiro de propina, segundos investigações da operação Lava Jato.

Para comentar as suspeitas, o Favela 247 procurou o ex-diácono da Igreja Universal do Reino de Deus André Constantine, 38, presidente da associação de moradores do morro da Babilônia e criador do movimento Favela Não Se Cala. Constantine não demonstrou surpresa com as acusações de lavagem de dinheiro dentro de uma igreja: "O que eu vou falar todo mundo sabe, qualquer pessoa que frequente esses templos ou tem algum cargo, tem a ciência de que esses templos são isentos de impostos. Nenhum templo religioso contribui com imposto pro Estado brasileiro", afirma.

"E este é o ponto de partida para toda a picaretagem: como eles são isentos de impostos, viabiliza que ali se lave dinheiro do narcotráfico, de bicheiro, de político e de milícias. Esses templos religiosos são o melhor lugar para se lavar dinheiro no Brasil" , diz Constantine, que afirma existir muita gente honesta, tanto que frequenta como que tenha cargos eclesiásticos nas igrejas, mas, segundo ele: "A alta cúpula sabe até os ossos, estão enterrados até o pescoço nisso".

Além da corrupção e da lavagem de dinheiro, outra característica dessas igrejas e de seus líderes que incomoda Constantine são as aspirações políticas: "O que mais me preocupa, principalmente no segmento religioso protestante, é a intenção que existe nele de obter poder de Estado. Eles elegeram diversos vereadores, deputados estaduais e federais. O Marcelo Crivella (PRB) quase virou governador do Rio. A bancada evangélica é a mais conservadora, vê as alianças que eles fazem: ruralistas, bancada da bala... Na Marcha para Jesus estava o Bolsonaro. Aquilo ali virou carnaval e palanque político. Cada eleição que passa essa bancada cresce mais. Eles alavancam o fascismo e o conservadorismo através do discurso da 'família brasileira', mas por trás dele há um discurso machista, homofóbico e racista", acredita André.

"A mente da maioria (dos fiéis) está tão cauterizada que, infelizmente, não conseguem enxergar as coisas de forma mais abrangente. Eles fazem um trabalho muito forte de condicionamento mental nessas igrejas"

Questionado sobre se essas denúncias contra Eduardo Cunha ou outras lideranças religiosas evangélicas suspeitas de corrupção abalam a fé dos fiéis, Contantine responde: "Isso não diz nada ao ouvido dos fieis. A mente da maioria deles está tão cauterizada que, infelizmente, não conseguem enxergar as coisas de forma mais abrangente. Eles fazem um trabalho muito forte de condicionamento mental nessas igrejas", defende.

"Na favela, hoje, quando o morador vivencia um problema existencial, financeiro ou de saúde, existem duas portas sempre abertas para o acolher: a da droga e do crime, e a de um igreja" , afirma o ex-diácono, antes de iniciar uma crítica à interpretação das escrituras nas igrejas neopentecostais: "Eles se utilizam de artifícios bíblicos. Para eles a Bíblia é a inerrante palavra de Deus. O Malafaia que usa muito isso. Eles confiam cegamente nesse livro, e é um livro muito fácil para você criar diversas interpretações. Eles sempre pegam alguma coisa fora do contexto para fazer a base ideologia deles verdadeira".

"Tudo isso está no Malaquias 3:10, o livro mais utilizado por esse cães gulosos, por esses vagabundos, para justificar a cobrança de dízimo. Cães gulosos é como o próprio profeta chama os falsos pastores, veja em Isaías".

Constantine afirma que foi a leitura da Bíblia que o fez escolher a apostasia, aos 23 anos: "Eu percebi que estava tudo errado lendo a própria Bíblia, principalmente na questão do dízimo. Na Bíblia ele era recolhido em forma de alimento, e apenas poderia ser recolhido pela tribo de Levi, e só poderia ser destinado às viúvas, aos órfãos e aos estrangeiros. O dízimo era uma parte da colheita separada pra fazer essa distribuição. Aí que eu comecei a contestar. Hoje eles alegam que precisam pegar um dinheiro para a manutenção da obra de Deus. E isso é uma grande deturpação da obra de Deus. Não tem nada de espiritual nisso. Há também as questões naturais, como quando eles falam que pagar dízimo vai repreender o gafanhoto. Eles demonizaram os gafanhotos. Dizem que se você não entregar o dízimo na Igreja, os gafanhotos mexem nas suas finanças. Eles espiritualizam coisas que são do campo natural. Qualquer pessoas racional que leia aquele texto verá o que estou falando. Tudo isso está no Malaquias 3:10, o livro mais utilizado por esse cães gulosos, por esses vagabundos, pata justificar a cobrança de dízimo. Cães gulosos é como o próprio profeta chama os falsos pastores, veja em Isaías", sugere.

Questionado sobre se pastores e políticos evangélicos metidos em corrupção têm fé, Constantine é taxativo: "Pra mim esses caras são os verdadeiros ateus. É tudo empresa cara, a estrutura toda funciona como empresa. E na lógica do capital a empresa foca o lucro, assim como essas instituições religiosas. A nossa sorte é que eles ainda são muito fracionados, há interesses pessoais muito grandes envolvidos. Se não estivessem tão fracionados a possibilidade de eleger um presidente evangélico seria muito maior. Olhe o Malafaia: ladrão pilantra e safado. Apoiou o Cunha, e agora sai por aí dizendo que não tem, nem nunca teve, nada com o Cunha. Esse Malafaia é um dos maiores safados e pilantras do Brasil", acusa o ex-diácono.

http://www.brasil247.com/pt/247/favela247/200873/%E2%80%9CTemplos-religiosos-s%C3%A3oomelhor-lugar...

Informações relacionadas

Caio Cesar Zuanetti, Advogado
Artigoshá 5 anos

Lavagem de Capitais e as Instituições Religiosas.

Politize! Educação Política, Educador Social
Artigoshá 6 anos

Imunidade tributária: por que entidades religiosas não pagam impostos no Brasil?

Danielli Xavier Freitas, Advogado
Artigoshá 8 anos

Janelas quebradas: uma teoria do crime que merece reflexão

Consultor Jurídico
Notíciashá 8 anos

Imunidade de igrejas é usada para lavagem de dinheiro

André Arnaldo Pereira, Advogado
Artigoshá 7 anos

Charlatanismo? Estelionato? Quando uma religião pode se enquadrar nesses artigos?

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

é por essas e outras que o crime organizado se faz presente em quase todas elas.Basta o Ministério Público Federal verificar in loco como se arrecada de maneira surpreendente. Vide á IURD (Edir Macedo) que detém o record de processos arquivados. Assembleia de Deu$ do (Silas Falafaia) é incrível como no Brasil ainda exista pessoas sendo iludidas. continuar lendo

Jose Neto, você deve ter lido no documento, uma pessoa em crise numa favela tem duas portas em que ancorar-se a do tráfico e crime e a das igrejas neopentecostais, que hoje em dia chegam a unir-se a milicianos para expulsar terreiros das favelas nos morros do Rio de Janeiro, algo conhecido como o "Bonde de jesus"! continuar lendo

André Constantine conhece como funciona por dentro das igrejas neopentecostais , pois foi diácono na Assembleia de Deus, ao mesmo tempo conhece a realidade das favelas, já que mora numa, o que é dito é comentado à boca pequena há décadas no Brasil, há um projeto de poder dos conservadores, que utilizam-se das igrejas neopentecostais como instrumento para atingir esse objetivo são contra todas as pautas de direitos humanos conquistados à duras penas por homossexuais, transexuais, feministas, têm uma visão de mundo retrógrada e utilizam-se da Bíblia segundo suas conveniências como é citado no documento continuar lendo

Fiquei admirado com tantos equívocos em um único texto. Baseia-se exclusivamente na opinião de uma pessoa, que, pelas supostas declarações, claramente desconhece o texto bíblico e apresenta elevado grau de frustração. Lamento que a autora desconheça o verdadeiro evangelho de Jesus Cristo e o que significa verdadeiramente ser igreja e compartilhar a fé em comunidade.

A temática central no texto gira em torno da questão financeira. Dízimo não se paga. Se oferta. É voluntário. É um reconhecimento da providência de Deus, de que a inteligência e a força para o trabalho vem dEle e não de nossas próprias capacidades. Intencionalmente não citarei os textos bíblicos que amparam este entendimento, quem sabe se desta forma desperto no leitor a curiosidade pela leitura e descoberta dos fundamentos bíblicos aqui expostos.

Creio firmemente na palavra de Jesus Cristo: "conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará".

Dízimos e ofertas, pessoal, foi uma forma estabelecida por Deus para o modelo econômico de Israel antes da vinda do Cristo. A ideia era que uma das doze tribos, no caso a de Levi, pudesse se dedicar aos estudo e ensino das Escrituras Sagradas, à música e à ministração das celebrações à Deus. Como eles se dedicariam exclusivamente a isto, Deus estabelecer que o sustento dessa tribo viria das demais como forma de gratidão ao próprio Deus. Isso não foi abolido no novo testamento, mas foi aperfeiçoado: "cada um contribua segundo propôs em seu coração". É um ato voluntário, não uma obrigação.

Sou formado em Administração de Empresas, tenho pós graduação em Gestão de Negócios e em Investimentos em Ações e Mercado de Capitais, área na qual possuo certificação avançada pela ANBIMA. Sou membro de igreja evangélica tradicional. Sou músico voluntário. Sou dizimista. Não sou pastor. Não exerço qualquer cargo remunerado em igreja. Não sou nenhum alienado como o André Constantine sugeriu que são as pessoas que participam de uma igreja evangélica.

Em todas as áreas da atividade humana há a possibilidade de desvios de conduta. Jesus Cristo disse que junto com o trigo cresce também o joio. Essa é uma realidade humana e não uma exclusividade da igreja.

Meu apelo não é que venham conhecer a realidade de uma igreja. Está claro que não têm interesse. Apelo para que conheçam a Deus, que foi plenamente revelado por Jesus, o Cristo, através de sua vida e obra testemunhada por meio dos registros bíblicos. Isso sim fará diferença em suas vidas, famílias e na própria sociedade.

É feliz uma nação cujo Deus é o Senhor, não um pretexto para se eleger. Infelizmente a maior parte das pessoas, mesmo as que participam de igrejas, não entende isso.

Deixo um fraterno abraço. continuar lendo